• Transmutação Emocional

A linguagem das emoções

Atualizado: Mai 2


Ser vítima é mais fácil que admitir a responsabilidade

Vivemos toda a nossa vida em busca de prazeres que durem eternamente. Como os prazeres sempre acabam, nos apoiamos nos sonhos. Os sonhos nasceram para serem realizados e, portanto, estão fadados a morrerem para dar lugar a novos sonhos. Essa roda de desejo, realização, prazer, novos desejos em busca de reviver prazeres nunca têm fim.

Os sonhos são baseados em memórias. As memórias são criadas a partir de um conjunto de experiências em sua grande maioria coletivas. Fundamentamos nossos objetivos em momentos de prazer vividos por outras pessoas. Experimentamos, gostamos e transformamos essas memórias alheias em memórias pessoais.

Nos viciamos em substâncias endócrinas geradas por esses momentos fadados ao fim. Nos apegamos a essa roda se contentando com migalhas de alegria e chamamos isso de felicidade. Por fim, percebemos que não somos felizes mas vivemos momentos de felicidade acreditando que a vida é isso mesmo.


Sofremos por falta de identidade. Não sabemos quem somos.

Olha só o que já sabíamos mas esquecemos como acessar dentro de nós:


1 – A Mente é uma máquina do tempo:


Não é possível qualificar o tempo com a nossa consciência. O tempo linear só existe em nossa mente. Como mensurar o passado e o futuro se sempre os vivenciamos no agora? O Tempo não anda em uma única direção. Você decide para que direção ele deve seguir dentro da sua cabeça. Onde os seus pensamentos estão, ali você está.


2 – Por que sofremos?

Sofremos por querer mudanças sem que elas comecem em nós mesmos. Todos os nossos sofrimentos estão ligados ao que realmente importa a nós. Dinheiro, relacionamentos, viagens, sonhos, conquistas, tudo não passa de fluxo natural da vida. Pensando e sentindo criamos qualquer coisa. O pensamento formula e a emoção qualifica.


3 – O Medo:

Até despertarmos para a busca do autoconhecimento, vivemos em gaiolas com a porta aberta. Nos identificamos por tanto tempo com elas que assumimos a identidade de escravos. As referências são a de que ser livre e independente é ter a própria gaiola. E numa sociedade de escravos, desejar ser livre é uma doença contagiosa. O mundo é uma gaiola gigante, cheia de pequenas gaiolas, onde quem não tem não existe.

O medo é o guardião vigilante do portão da gaiola. Para sair da gaiola precisamos perceber que o Medo só existe dentro da nossa cabeça. Ele não existe realmente. Não dá para tocar o medo, dá?

Como diria Serapis Bay: Estar Separado(a) da Fonte significa morar onde domina o medo.

Se a dor é reprimida ela cresce, se você a expressar, ela diminui. Com a alegria ocorre totalmente o oposto: se você reprimir a alegria, ela diminui; se você a expressar ela aumenta." (Osho)


4 – Sem Desculpas:

Após um naufrágio, o único sobrevivente agradeceu a Deus por estar vivo. E este único sobrevivente foi parar numa ilha deserta e fora de qualquer rota de navegação. E ele agradeceu novamente. Com muita dificuldade e os restos dos destroços, ele conseguiu montar um pequeno abrigo para que pudesse se proteger do sol, da chuva e de animais. O tempo foi passando e a cada alimento que conseguia, ele agradecia. Um dia, voltando depois de caçar e pescar viu que seu abrigo estava em chamas, envolto em altas nuvens de fumaça. Desesperado, ele se revoltou e gritava chorando: “O pior aconteceu! Perdi tudo. Deus por que fez isso comigo?” Chorou tanto que adormeceu profundamente, cansado. No dia seguinte, bem cedo, foi despertado por um navio que se aproximava. “Viemos resgatá-lo”, disseram. “Como souberam que eu estava aqui?”, perguntou. “Nós vimos o seu sinal de fumaça”, responderam eles.

Desde que começou a ler esse texto, quantas vezes agradeceu por estar simplesmente aí lendo, respirando, aprendendo?

Reclamar ou RE-CLAMAR, significa clamar repetidamente por algo que não queremos. Agradecer ou A-GRAÇA-DESCER é permitir que a Graça desça, é receber de graça, é ganhar em amor incondicional. Sem sacrifícios. Percebe o poder da Gratidão?

Ser vítima é mais fácil e confortável do que admitir nossa responsabilidade. Por isso poucas pessoas expandem a consciência e trilham a saga do autoconhecimento.

Quem você procura está te procurando.


5 – A ação precede a emoção:

O sentimento de plenitude é consequência natural do reencontro com nós mesmos. Se damos esperando receber, estamos fazendo barganha. Para reviver as descargas hormonais e explosões elétricas das conexões cerebrais que o fim proporciona, só é possível na dualidade dos momentos. Por isso dizemos que a felicidade é efêmera. Somos drogados. Viciados em adrenalina, noradrenalina, dopamina e outras substâncias endócrinas geradas artificialmente para sustentar o volume de energia que é necessária para viver na sopa de medo que é a ignorância.

As árvores frutíferas não fazem esforço para gerar frutos porque essa é a essência delas. Você não precisa fazer esforço nenhum. Apenas saiba que você é o que é. Você é toda a abundância de que necessita. Essa é a sua única essência.

Seja o que você quer ver, sentir e viver. Perdoe ou peça perdão. Se você sente algum sinal de humilhação no perdão então você já está se humilhando ao abrir mão da liberdade.

O egoísmo é o oposto da mecânica natural do universo, o orgulho é o antônimo da inteligência e a vaidade é a ilusão da necessidade de ilusões. Você escolhe ter o encontro de amor com você mesmo ao abrir mão do egoísmo, do orgulho e da vaidade.

A vida está no desapego, a morte na retenção e eterna manutenção.


6 – Dentro ou fora?

O mundo, nosso corpo, a realidade em que vivemos é um grande espelho que reflete o que temos dentro de nós. Quem olha para fora se conhece no que recebe de volta ao externar o que busca. Quem vive nessa eterna gangorra de sonhos projetados que os impulsiona e sonhos realizados que os levam ao ponto inicial numa eterna roda de desejos e realizações, não são plenos. Quem olha para dentro desperta quando percebe que despertar é sair do molde. Se sentir plenamente cheio só é possível no reconhecimento do próprio vazio. Só aí, as perguntas sessarão porque sua essência é feita de respostas. E todas elas culminam em um único lugar, no Eu Sou Amor em Ação.


7 – O caminho do meio:

Temos um conceito espacial na terceira dimensão. Norte, sul, leste, oeste, em cima, em baixo, dentro e fora. Há uma necessidade, que aprendemos a ter, de saber onde estamos. Por isso que é tão difícil para as pessoas entenderem o que significa o equilíbrio. Não há lados no equilíbrio. Não falo de nos abstemos de lados, mas apenas entendermos que ambos são necessários.

"Conhece-te a Ti mesmo e conhecerás todo o universo e os deuses, porque se o que procuras não achares primeiro dentro de ti mesmo, não acharás em lugar algum"

Frase do Templo de Delfos na Grécia.

Não é esse ou tantos outros textos e livros que precisam ser lidos, é você.


8 – A prática antagônica do controle:

A mudança é um objetivo calcado na nossa busca pela felicidade. E isso é lindo! Mas mudar requer abrir mão das ferramentas que tão duramente adquirimos ao longo da estrada. Para algo mudar precisamos entregar. Desaprender para aprender. Quando baixamos a guarda, paramos de resistir ao presente e somos presenteados por informações preciosas. Mas quando resistimos, caímos na armadilha do nosso ego e morremos tentando atravessar um deserto de barquinho.

Assuma a responsabilidade incondicional do seu universo porque você é o universo.


9 – A vida é simples:

O grande Mestre Jesus, resumiu todos os mandamentos bíblicos em apenas um. Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Percebe a ordem em que ele coloca as prioridades? Amar a Deus sobre todas as coisas significa amar a sua Presença Divina acima dos interesses limitados da consciência externa. Amar a si mesmo é amar a nossa Presença eu Sou e saber que as outras pessoas também são manifestações da Perfeição Divina. Então tudo se resume a Amar a Deus sobre Todas as Coisas. E nós somos Deus em Ação!

Não procure motivos para amar porque amar é viver em constante estado de gratidão.


Enfim.


Poderíamos listar uma série de emoções para entendermos o tema desse texto. Em suma, tudo o que existe é o amor e a ausência dele. No amor encontramos a unidade e na ausência encontramos a dualidade. No amor, caminhamos alinhados com o Padrão Harmônico Universal, na ausência mergulhamos no Medo. No amor seguimos o rítmo natural da vida, na ausência tentamos desesperadamente reter o que achamos que precisamos.

Mergulhe no Amor! Na Gratidão Incondicional a Vida!  Mergulhe em si mesmx.


Celso Costa | Terapeuta Quântico

@transmutacaoemocional

0 visualização
  • Facebook La Casita
  • Instagram La Casita
  • Youtube La Casita Nazaré
  • Telegram
  • WhatsApp